terça-feira, 15 de maio de 2012

A que distância você está do Rio da Vida?

Diz-nos a Bíblia Sagrada, mais precisamente no livro do profeta Ezequiel, no capítulo 47, que existe um rio de águas purificadoras, um rio que brota do trono de DEUS.

            A reflexão de hoje está baseada nessa passagem, e gostaria de chamar sua atenção para sua posição em relação ao “rio de DEUS”. Para tanto, vou usar uma analogia, comparando esse rio com um rio de águas cristalinas e puras, cheio de vida, porque espiritualmente falando, o rio citado em Ezequiel é assim. Ele é cheio de vida, ele purifica, e também produz vida por onde quer que passe.

            Caro(a) leitor(a), DEUS utiliza-se de muitos símbolos em Sua Palavra, a fim de que, em nosso pequenino e limitado conhecimento, possamos ter uma vaga idéia do que ELE pretende que conheçamos. Assim, podemos ter certeza de que existe, de fato, um rio que flui do trono de DEUS, e todos quantos conseguiram chegar até esse rio, vivem uma vida frutífera, pacífica e segura… Porque estão no rio da água da vida.

            Agora peço que use sua imaginação, e visualize algumas cenas. Suponhamos que alguém esteja perdido em meio a uma floresta… Há dias que vagueia sem rumo, sem um banho sequer… Sujo, cansado, com fome e com sede… Então,  repentinamente vê um rio com características semelhantes a este do qual falo. O leito do rio é uma firme rocha, suas águas são frescas, limpas e cristalinas… Há muita vida nesse rio. Entretanto, o viajante perdido, quer unicamente matar sua sede. Não quer nada mais que alguns goles da refrescante água. Então, ele chega-se à margem do rio, estende suas mãos, e juntando-as em forma de concha, enche-as de água, levando-as à boca… Ou então, debruça-se sobre o rio, sorvendo-lhe o precioso líquido. Com tal atitude, o viajante continuará então sua jornada, com seus próprios pés, na direção que ele mesmo escolher. Ele está fora do rio. Continua sujo, talvez o cansaço tenha sido mitigado, mas está ainda faminto (a menos que tenha como conseguir pescar no rio, claro). Sua jornada ainda será dolorosa…

            Agora imaginemos outro viajante, nas mesmas condições… Este, porém, entra no rio… com águas pelos tornozelos, ele se abaixa, e bebe da águas. Mas resolve ir “marginando” o rio, verá que haverá trechos em que não será possível continuar e terá que sair do rio.

            Outro viajante se aproxima, e entra um pouco mais das águas do caudaloso rio…Primeiramente águas pelos tornozelos… Depois pelos joelhos… Mas fica temeroso quando as águas lhe chegam aos lombos, e resolve deixar o rio…

            Todos esses primeiros viajantes perdidos, seguem seus próprios caminhos… Não sabem onde chegarão, nem os perigos que terão que enfrentar na floresta.

            Por fim, um viajante desesperado, em condições idênticas aos demais, chega ao rio. Ele imagina que tal rio, por suas águas e características, seja fonte de água para algum povoado, só não sabe onde… Então, ele não apenas bebe… Ele entra no rio… Tornozelos, joelho, lombos… Por fim ele se deixa levar pelas águas. Flutuando, ele descansa, deixando que o rio o conduza, até que enfim chega a uma cidade onde é alimentado, suas feridas tratadas, banho tomado… Tem sua vida totalmente mudada.

            O rio de DEUS não é diferente. Lamentavelmente, alguns só querem “matar sua sede” de bênçãos. Oportunistas, não estão dispostos a deixarem-se conduzir pelo rio de DEUS. Querem eles próprios conduzir suas vidas, apenas desfrutando, eventualmente, dos benefícios que DEUS lhes proporciona. São religiosos, são independentes, têm seus próprios conceitos sobre como viver sua vida… Nada querem dos conselhos de DEUS, tampouco da vida que ELE oferece.

            E você, caro leitor? A que distância está do Rio de DEUS? Você é daqueles que apenas “bebem” um pouco da água, ou é do tipo que deixa o rio lavar e conduzir totalmente você? Pare e reflita.