domingo, 28 de fevereiro de 2016

O Evangelho do Reino de DEUS ou a Religião do Homem… O que você segue? (Parte I)

Leitura: MC. 16:15,16; 1:15; MT. 4:23

Religião, política e futebol não se dicute! Cada um escolhe a religião, o time e o partido “ou candidato” que quer, e ninguém tem nada com isso. Certo?

Errado! Pode não parecer, mas esta máxima conhecida pela maioria das pessoas, é um engano. Na verdade, cada um desses assuntos tem desdobramentos sobre nossas vidas, e bem por isso, precisamos dialogar e refletir sobre certos aspectos.

E por incrível que pareça, conhecer e viver o Evangelho nos traz direção e segurança quanto aos desdobramentos da religião e da política que afetam nossa vida.

Antes, porém, é preciso definirmos um princípio absoluto: A Bíblia é a Palavra de DEUS; e temos que ser irredutíveis nesse ponto. Se também para você a Bíblia é a Palavra de DEUS, este artigo vai ajudá-lo(a), do contrário, abandone agora sua leitura.

Ja que prosseguiu, vejamos porque precisamos examinar a religião e a política à luz do Evangelho do Reino, a fim de nos posicionarmos assertivamente em tais assuntos, agradando a DEUS e não aos homens.

Discutindo Religião

Leitura Bíblica: ÊX. 22:20; HB. 8, 9, 10 (capítulos); LC. 4:8; IS. 45:20; JR. 10:2-5
ÊX. 20:1-20.

É fato que o homem é um ser intrinsicamente religioso, pois em seu íntimo há um anseio pelo mundo invisível, pelo universo espiritual.
Bem por isso, é que vemos, em todas as culturas e civilizações – mesmo naquelas que já não existem – um ou mais sistemas de crenças, a que denominamos de “religião”. Cada civilização, quer antiga quer contemporânea, tem pelo menos uma religião praticada por seus cidadãos. E isso até entre os povos indígenas.

A grande questão é que no meio religioso há muitos “mitos”, ou seja, “crenças baseadas em invencionices”, em conceitos que não são verdadeiros; muitas vezes, inclusive, há certas “interferências” que acabam levando as pessoas a julgarem estar certas em suas crenças e práticas.

Portanto, é fundamental que saibamos se a “religião” que praticamos e cremos está, de fato, está nos aproximando de DEUS e nos conduzindo pela “verdade”, ou nos ensinando mentiras e, com isto, nos afastando da verdade e do próprio DEUS.

Partindo do princípio que DEUS, o Único DEUS VERDADEIRO e Criador do Universo revelou-se à humanidade (fruto de Sua obra criativa e não de um processo evolutivo), e que deixou a Bíblia Sagrada como um meio de comunicar-se conosco, então temos que admitir que precisamos orientar-nos por ela. Mais ainda, temos que admitir, dada a variedade de idiomas em que a Bíblia Sagrada foi traduzida (os textos originais estão escritos em hebraico – Antigo Testamento, grego e aramaico – Novo Testamento), que basta entendermos o idioma da Bíblia que está em nossas mãos para que possamos examiná-la.

Claro que o fator predominante e fundamental para a compreendermos é a ação reveladora do ESPÍRITO SANTO, o qual só é enviado àqueles que querem obedecer a DEUS – AT. 5:32, e para quem quer, de fato, saber “toda a verdade” – JO. 16:13,14.

Se este é seu caso, prossiga…

Características de uma Religião

Toda e qualquer religião apresenta…

  • Uma (ou mais) Divindade – Um ser poderoso, capaz de influenciar o universo. Esse ser pode ser real ou apenas um “mito”. Mas é tido como alguém que deve ser servido e reverenciado pelos adeptos da religião.
  • Um (ou vários) lugar(es) sagrado(s), com uso “exclusivo” para os “serviços religiosos” ou “lugar de culto”.
  • Uma “classe especial de pessoas”, a que vou nominar de “profissionais da fé”, sendo ou não remunerados pelo seu “serviço”. São, por assim dizer, os que “lideram” o trabalho religioso.
  • Uma “regra de conduta’, seja ela escrita ou não. São as “normas” da religião.
  • Os “fiéis” ou “seguidores” da religião.

Estes aspectos são comuns à todas as religiões, variando apenas quanto à “terminologia” ou “nomenclatura” de cada um.

Divindade
Para as religiões cristãs, é o DEUS da Bíblia Sagrada, o Criador do Universo; é também JESUS CRISTO.
Já as religiões orientais possuem uma variedade de “divindades”… Para algumas, é “Buda”, ou “Krishna”, ou “Alah”, ou “Jeová”, etc. No Antigo Egito haviam vários “deuses”: Rá, Órus, Osiris, Ísis, etc.
Para as religiões africanas – Quimbanda, Umbanda, Candomblé – é preciso venerar certas “entidades”, que supostamente fazem pequenos favores à humanidade; são “mediadores” entre o homem e o Criador.
O espiritismo também tem ideias semelhantes, com o diferencial de acreditarem que é possível à alma humana viver diversas vezes, em corpos diferentes (reencarnar) até que “evolua” para uma existência superior. Para os espíritas, a Terra é um lugar de “provação” onde há “entidades” e “espíritos desencarnados” de luz ou de trevas; uns evoluídos, outros mais atrasados ou “inferiores”. Os evoluídos são “espíritos de luz”, que buscam ajudar o homem em seu processo evolutivo, enquanto que os “inferiores” são entidades que as vezes buscam os humanos para pedir ajuda, ou apenas para “assombrá-los”.
Aqui há um certo sincretismo religioso com o Catolicismo Romano – religião dita cristã – há algumas semelhanças com as práticas espíritas e até mesmo com as africanas. Embora ambas as linhas religiosas (Umbanda, Quimbanda, Candomblé, Espiritismo e Catolicismo Romano) creiam num único Criador do Universo, acreditam que existem outras “entidades ou personagens” menos poderosos com quem podemos nos comunicar e pedir alguns “favores”. E em cada uma dessas religiões essas entidades ou personagens têm uma (ou mais) imagem que os representa e que, na crença de seus seguidores, assegura “proteção” à pessoa ou ao lugar onde a imagem está.
Aqui encontramos os “santos” do Catolicismo Romano, os “guias” da Umbanda, Quimbanda ou Candomblé, ou os “espíritos iluminados” do espiritismo.

Lugar Sagrado
Para os judeus, esse lugar é o templo (em Jerusalém) ou as sinagogas;
Para os muçulmanos, são as mesquitas;
Para os espíritas, são seus “centros” e os “terreiros”;
Para os católicos, são suas “catedrais” ou “igrejas”;
Para os cristãos ditos “evangélicos”, são seus “templos”, aos quais também chamam de “igrejas”;
Para budistas, hinduístas e semelhantes, há também seus templos sagrados.

Os Profissionais da Fé
O Judaísmo tem seus sacerdotes e rabinos;
O Islamismo tem seus Sheiks e Chers;
O Budismo e o Hinduísmo tem seus monges;
O Espiritismo tem seus guias e médiuns;
O Candomblé, a Umbanda e a Quimbanda tem seus “pais-de-santo” ou “mãe-de-santo”;
O Catolicismo Romano tem seus padres, bispos, cardeais e seu papa;
Os grupos ditos evangélicos tem seus “pastores”, “bispos”, “apóstolos” e “missionários”…

As Regras
Cada religião segue um conjunto de regras. Há o Corão para os muçulmanos; o Toráh para os judeus (judaísmo); os espíritas seguem “O Evangelho Segundo o Espiritismo” ou os livros de Alan Kardec; e os budistas, hinduístas e outros adeptos de religiões orientais, há alguns “pilares” de conduta. Já para os que se intitulam “cristãos”, há apenas um único “Manual de Conduta” – A Bíblia Sagrada… Ao menos deveria ser a Bíblia Sagrada a única fonte de orientação para vida e conduta; mas, como veremos adiante, isto não ocorre…

Os Fiéis
Os adeptos da religião que seguem seus ensinos e práticas.

Como podemos ver, todas as religiões têm esses pontos em comum. Cabe, aqui, entender o significado da própria palavra “religião”, para, então, analisarmos a nossa fé e prática religiosa, a fim de sabermos se estamos ou não certos – do ponto de vista de DEUS.

O termo “religião” origina-se do latim “religio” (louvor e reverência aos deuses), ou “religare” (ligar novamente). Neste último caso, voltar a ligar-se com DEUS. Sendo assim, a “religião” teria como função aproximar o homem de DEUS, “religar o homem a DEUS”.

No entanto, não há nada que o homem possa fazer para ligar-se novamente a DEUS, porque o próprio DEUS já fez tudo o que era necessário para reconciliar o homem consigo… DEUS realizou, por meio de JESUS, uma obra completa! E quem quiser pode usufruir dos benefíciois dessa obra.

Todavia, há um “preço” a ser pago! O “preço” é nossa “total submissão” e “total obediência” à ELE – JESUS CRISTO, crer em tudo o que ELE ensinou e obedecer a tudo o que ELE ordenou – MT. 28:18-20.
Neste ponto é importante que tenhamos certeza sobre três questões:
1) Eu sou uma “Nova Criatura”?
2) Eu amo a DEUS acima de qualquer coisa?
3) Eu estou disposto(a) a obedecer a DEUS e a seguir a Sua vontade?

Posto à Prova
Certamente a sua resposta deve ter sido “sim” a cada uma das perguntas feitas anteriormente… Entretanto, vamos ver agora, à luz da Palavra de DEUS, qual a sua verdadeira condição quanto à essas questões…

Sou uma Nova Criatura?
Em 2 CO. 5:17, a Palavra de DEUS afirma que “se alguém está em CRISTO, nova criatura é…”. Para “estar em CRISTO”, é preciso ter sido “regenerado pela Palavra de DEUS (HB. 4:12; 1 PE. 1:22 e refs.), ter ouvido o Evangelho do Reino de DEUS e sido “batizado em CRISTO” – AT. 2:38.
Quando isto acontece, já não vivemos na prática do pecado, agradando ao desejos da nossa carne, mas ansiamos por vivem em santidade, tendo comunhão com DEUS e vivendo segundo os princípios da Palavra de DEUS – RM. 6:12; 8:1, 8, 14.

Amo a DEUS acima de qualquer coisa?
Em DT. 6:4,5 o mandamento é que amemos o SENHOR com “todo o nosso coração”, com toda nossa alma e com todas as nossas forças. Isso significa amar a DEUS com tudo o que somos – e com tudo o que temos. Em João 14:23 JESUS fala sobre uma “prova de amor”, sobre uma qualidade que é encontrada na pessoa que O ama de verdade… “Se alguém me ama… guardará a minha Palavra…”.